domingo, 18 de maio de 2014

D. OS HINOS DA SEMANA

O universo
como templo de Deus:

Os cativos em Babilônia viam belos edifícios,
  a torre de Babel:  “porta de Deus” templos,:
estatuas do rei  para marcar seu reino
Nada para eles é inacessível.

Destruído o templo de Jerusalém, a mão sacerdotal
apresentou um outro  templo: o universo,
feito pela palavra e sopro de Deus.
Nele Deus pôs o ser humano à sua imagem.

O terceiro Isaias criticava a reconstrução do 2. Templo:
¨ Qual é então a casa que haveríeis de construir para mim?
O céu é meu trono, a terra escabelo dos meus pés,
mas olho para o humilhado diz Javé.
.
Perante o templo,  uma caverna de bandidos,
Jesus disse: ¨ Destruí este templo
e em três dias eu o reerguerei.
Ele falava do seu corpo.

O Vidente do Apocalipse viu um novo céu e terra:
A tenda de Deus com os homens.
Na cidade não se viu um templo.
No meio da praça havia um rio de água viva
e uma árvore da vida.

Dia e noite a criação louva a Deus
e nós  o louvemos de manhã e à tarde.


  
     ¨A existência humana se baseia
sobre três relações fundamentais:
as relações com Deus,
com o próximo
  e com a terra¨.

Papa Francisco na Encíclica:
¨Laudato si¨ (66)
  



D. OS HINOS DA SEMANA

Mãe Criadora: Dai à luz, 
das obras mestra: Guie nos! 
De sete formas doação
es dedo na divina mão.

O teu sopro vai encher 
as criaturas pra viver.
O dom criando inspiração,
por Ti Videntes falarão.

A fonte das igrejas és,
promessa que o Pai nos fez,
pra proclamar a salvação,
a todos povos o perdão.

As coisas de Jesus lembrai,
o que fazer nos ensinai.
De Ti precisa renascer
o Evangelho a viver.

Confunde os impérios,
  não acreditam em Jesus,
que é o Justo, vai ao Pai.
O julgamento atestai!

Mostrai o Filho com o Pai,
o seu reino revelai
e crer em Ti, Mãe, Defensor,
dos dois procedes em amor.

Ao Pai se deve gratidão
à Advogada atenção. 
Cordeiro, tuas  nupcias são!
Os três são um em conexão.
Amém! Aleluia!


           Domingo de manhã 

Disseste: ´´ Luz seja!´´, chamaste de dia. 
e noite chamaste à treva!
A luz verdadeira estava no mundo,
os homens das trevas não compreenderam.

  Por fim  sacerdotes entregam o homem,
soldados o matam na cruz como rei dos judeus.
   A vítima deu a vida por livre vontade 
  recebe porém da Espírita Santa a vida.

Mulheres chorando não acham o corpo.
Alguém lá pergunta: ¨ A quem tu procuras¨? 
´´Maria, não chore, mas diga aos meus irmãos
que subo a Deus, Pai meu, Pai vosso.

À beira do lago um homem pergunta: 
´´Rapazes,  não tendes um  pouco de peixe ´´?
 Lançaram a rede, a pesca foi grande,
Jesus toma  pão e o peixe e parte com eles.

Primeiro dia: Jesus aparece aos Seus
mostrando as mãos e o lado  dizendo:
´´A paz esteja convosco¨.
 Soprando dizia:¨ Recebam Espírita Santa¨.

(Mc 8;31; Jo 11,47-54; 20;21; Ap 1,18)

Quando Deus iniciou a criação do céu e da terra,
a terra era deserta e vazia,
e havia treva na superfície do abismo;
a “ruach” (atmosfera, sopro) de Deus pairava
na superfície das águas.

Domingo à tarde

 Tu eras, Tu és  e serás, o Eterno: 
 levantas do pó humilhados.
                                        Espírita Tua cobriu Maria que teve um filho:                                    
             o filho de homem ¨  o Deus conosco¨.      

Jesus morava na terra escura de morte
vivia no meio da massa maldita,
curava doentes, comia com gente da rua,
 o reino de Deus chegou aos aflitos e pobres.

  As chagas do Ressuscitado relembram
que ódio e guerra apagam a vida.
A morte, porém, inimigo de Deus,
será finalmente por Ele vencida.

 Pai nosso, receba na tua morada 
aqueles que jazem nas trevas.
Jesus, Primogênito dentre os mortos,
garante a vida doando Espírita Santa.

(Mt 1,18; Jo 1,3; 1 Cor 15) 


   E Deus disse: ´´que a luz seja´´! E a luz veio a ser.
   Deus viu que a luz era boa.
   Deus chamou a luz de ¨dia¨ e à treva chamou ¨noite¨.
   Houve uma tarde, houve uma manhã:
   O primeiro dia.
  
                                                                     Segunda de manhã

Disseste: ´´Que haja o firmamento,
que ele separe as águas das águas´´.
Alertas às chuvas, às ondas dos mares:
 torrentes tão impetuosas, desistam!

Fizeste-nos donos da criação tua.
Os homens inventam, rejeitam,
exploram recursos da terra, planeta.
Seremos benditos ou somos malditos?

Deixando os sonhos, atentos
pedimos a sabedoria nas obras.
O bem escolhendo, o mal rejeitando
busquemos a paz,  a verdade, justiça.

Fizeste nos pouco abaixo de Deus,
 ao Pai semelhante é o Filho humano.
A Advogada conduz à plena verdade,
confunde quem não acredita no Justo!

(Jó 38,11; Pr 8,29; Jo 16)

Deus disse:
"Que haja um firmamento no meio das águas,
e que ele separe as águas das águas¨!
Deus fez o firmamento e separou as águas
inferiores do firmamento das águas superiores.
E assim aconteceu.


                                                                     Segunda à tarde

O  cosmo  em evolução faz bilhões já de anos !
Formou-se o globo entre corpos celestes.
A terra produz as plantas e seres viventes.
  Javé insuflou no humano o sopro da vida.

Potentes são surdos, se Deus adverte.
se julgam ser Deus, ninguém os impede
e nada pra eles é inacessível.
Recusam aos fracos direitos  à vida

               Tiranos surgem, conquistam o mundo,                   
dançando adoram bezerros de ouro,  
Impérios deles contudo perecem.
O reino de Deus não desaparece.

Ficai conosco, ó Filho do homem,
com autoridade perdoar os pecados.
 Há vítimas dando as mãos aos carrascos,
a dor padecida criou empatia.

(Mc 2;10; 10,42;  6; Ap 12)


Deus chamou o firmamento de "céu".
Houve uma tarde, houve uma manhã:
Segundo dia

   
Terça de manhã

Disseste: ´´As águas se juntem,
o mar se separe da terra´´!
O continente aparece.
                    As águas circulam: vapor até gelo.                    

A terra se cobre de mudas e ervas,
se veste de plantas, florestas,
os frutos contêm os sementes:
a terra é seio materno.

As nuvens derramam as águas,
Os agricultores semeiam e ceifam,
Mulheres moendo o trigo
preparam o pão para todos os dias.

Jesus reparte o pão no deserto
com gente perdida, sem rumo, sem  guia.
Ao anoitecer  sobre  águas andando
ordena aos ventos, acalma as ondas.

A honra a Deus oculto,
o Filho do homem revela o Pai
e sopra Espírita Santa  que fala
 por fracos, humildes, profetas.

(Dt 18,18; Mc 6)


Deus disse:
"Que as águas inferiores ao céu se juntem num só lugar
e que apareça o continente".
Assim Deus chamou o continente de "terra”
chamou de "mar" o conjunto de águas.
Deus disse: ´´que a terra se cubra de verdura, de erva
   

Terça à tarde

O quê tu fizeste, criatura humana?
Ouvi tua voz, no jardim escondi-me.
 Aquela maldita serpente, mentiu.
 Estou nu,  caído  enfrento a realidade

A terra germina espinho e cardo.
O homem é humo e volta ao humo.
A sua  humana, a Eva  é mãe dos viventes.
Há hostilidade entre mulher e serpente.
.
 Rochedo que salva: o que respondemos,
 se Tu nos procuras à noite?
Tapados foram os nossos ouvidos,
 o coração foi endurecido.

Ó Santo, com laços maternos
levante-nos quando tentados cairmos!
Fazei-nos ouvir as tuas palavras,
assim trilhemos caminhos da vida.

 (Gn 3; Os 11;)



que produza  sua semente e de arvores frutíferas
que segundo sua espécie produzam sobre terra
frutos contendo em si  sua semente´´ !
Assim aconteceu. Deus viu que isso era bom.
Houve uma tarde, houve uma manhã:
Terceiro dia.


                                                                   Quarta de manhã

Disseste: ¨Que haja luzeiros no céu:
O sol e a lua, estrelas pra dias e noites¨.
Tu fixas o arco da guerra nas nuvens,
sinal da aliança com todo ser vivo.

Aquela astuta serpente mentindo
nos tenta nas trevas à sombra da lua.
Ali a estrela de alva brilhando:
O novo dia em breve aparece.

No sol, da aurora saindo
nós vemos Jesus, de Maria nascido:
a luz aos sentados na sombra da morte,
o guia pra os do caminho ao reino.

Veremos então novo céu e terra
A nova cidade jamais ficará no escuro.
O sol lá será em diante a glória de Deus,
a lua não fulge, a lâmpada  é o Cordeiro.

Louvor à Espírita Santa

que mostra ao lado do Pai  o Cordeiro.
Os mártires são testemunha do reino:
amor e verdade venceram  poder e mentira. 

(Gn 9; Ap 21

Deus disse:
“Que haja luminares no firmamento do céu
para separar o dia da noite, que eles sirvam de sinal
tanto para as festas, como para os dias e anos”


 Quarta à tarde

¨Javé diz: o céu pois é meu  trono,
apoio dos pés é a terra.
Que templo erguer para meu repouso?
Estou com aqueles que são humilhados¨.

Espírita tua está sobre teu Ungido
que leva a boa notícia aos desanimados.
Por que procurar os lugares sagrados?
Jesus nos envia até os extremos da terra!

Lá passam famintos, sedentos, sem teto,
sem roupa, doentes, sem terra, 
 em fuga ou presos. Condenados à morte
 carregam a cruz,  iguais ao  Servo de Deus.

Na glória vem o Filho do homem,
reúne os povos da terra e julga:
Felizes aqueles que nem conhecendo
serviram aos meus menores irmãos.

Os justos recebem o Reino:
Benditos serão pelo Pai de Jesus.
Deus habita no meio da massa perdida:
nem luto, nem morte, nem dor haverá.

(Is 66,1-2; 61,1; Mt 25, 31; Ap 21)

                 
Deus fez dois grandes luminares:
o grande par presidir o dia,
o pequeno para presidir a noite, e as estrelas.
Deus viu que isto era bom.
Houve uma tarde, houve uma manhã.
Quarto dia.
  

Quinta de manhã

Disseste: ¨O peixe se-mova nas águas,
o pássaro voe acima da terra¨.
A Sabedoria, a mestra das obras
preenche o orbe terrestre de vida.

Veneno polui o nosso planeta.
por falta de sabedoria dos homens
A terra com seus viventes está desolada,
os peixes e aves já desaparecem.

Soberbos sufocam humildes,
são aves cruéis de rapina na pesca,
engolem os peixes, descartam as sobras.
Assim os potentes devoram os fracos.

A Insensatez seduz os tolos na rua:
¨Delícia as águas roubadas, o pão clandestino!¨
A Sabedoria convida quem não tem juízo:
¨ Comei meu pão, bebei meu vinho!¨

Louvai o Senhor: sol e lua, estrelas!
Louvai o Senhor: a mãe terra, florestas!
Louvai o Senhor: passarinhos e peixes!
Os seres viventes:  louvai-o!

                           (Os 4;Hab 1,14; Pr 8,30; Ap 12)
  

Deus disse:
"Que as águas pululem de enxames de seres vivos
e que o pássaro voe acima da terra
em face do firmamento do céu"
Deus viu que isso era bom.
  

 Quinta à tarde

“Estou com vocês, por amor escolhi-vos.
e vou libertar-vos da mão opressora”.
Javé na saída caminha à frente
no fogo de noite, na nuvem de dia.

O mar ameaça à frente,
atrás os Egípcios, carros, cavalos.
Afundam-se uns, atravessam os outros:
Assim Israel em Javé confiava.

Padecem naquele deserto a fome, a sede:
´´Javé estará no meio de nós´´?  Não confiam.
Batendo na rocha: já  jorram as águas,
recolhem os flocos:  Maná sacia famintos.

As tribos entraram na terra.
O povo parceiro no pacto com Deus.
Na Páscoa Jesus confirmou a aliança,
o Mestre lavando os pés dos alunos.

O pão, que convidas repartem na mesa,
será seu corpo, quebrado por muitos.
O vinho, que traz alegria  na festa, 
será seu sangue perdão ofertando.

(Ex 14; Dt 1,33; Jo 13; Hb 10,18)

Deus os abençoou dizendo:
"Sede fecundos e prolíficos, enchei as águas dos mares,
e que o pássaro prolifere sobre a terra"!
Houve uma tarde, houve uma manhã:
Quinto dia

  Sexta de manhã

Disseste:  ¨Animais se produzam na terra,
pequenos e grandes, selvagens e mansos¨.
Façamos a humanidade: formada do humo
se torna ser vivo  pelo sopro da vida .

 Eis homem-mulher à imagem de Deus.
 A ELE será semelhante  quem guarda
 os ares, as águas, a terra sem dano
com plantas, sementes e todos viventes.

Os homens desejam primeiros lugares,
no último pôs-se o Filho humano
que veio para servir e dar suas vida.
No reino os últimos são os primeiros .

O Verbo divino vestiu a carne humana.
O Pai  exaltou seu servo com nome excelso.
Na Espírita Santa a língua confesse:
´´ Jesus é Senhor d´ universo´´!

(Mc 10; Fl 2)


Deus disse: "Que a terra produza seres vivos
segundo a sua espécie, animais grandes,  pequenos
e selvagens”. Deus viu que isto era bom.
Deus disse: "Façamos o ser humano à nossa imagem,
Segundo a nossa semelhança e que ele submeta
os peixes,  os pássaros, os animais¨

                                                                      Sexta à tarde

Os reis ficarão com a boca fechada
nações verão que jamais foi contado.
O servo de Deus, negado por muitos,
  provado ser justo será exaltado.

O servo, a vítima dos violentos,
não tinha aparência, deixado de lado,
um homem de dor, solidão, sofrimento.
´´Ó Deus, deixar delatores agirem´´?

Foi arrastado para matança,
igual à ovelha não abriu a boca,
cortado da terra dos vivos.
´´Ó Deus, deixar os tiranos matarem´´?

Tomamos por atingido o servo,
ferido,  golpeado por Deus.
Porém, carregou nossas ofensas.
´´ Ó Deus, Tu queres a quem trituraram´´.

O servo, por interceder por injustos,
por carregar os pecados dos outros,
por dar sua vida em troca de muitos,
 prolonga os dias, verá descendência.
(Is 53)


Deus criou o ser humano macho e fêmea.
Deus os abençoou.
Deus viu tudo o que havia feito.
Eis que era muito bom.
Houve uma tarde, houve uma manha,
 Sexto dia.

Sábado de manhã


Deus criou por amor o céu e terra,
cessou sua obra no sétimo dia.
 O Sábado, feito pra seres viventes,
é dia da paz. amizade, repouso.

Enquanto as guerras apagam a vida.
  no monte Javé muitos povos instrui.
Nenhuma nação pegará mais em armas,
 fabricam das armas enxadas, arados!

 Desceu do céu a nova cidade - esposa.
a tenda de Deus com todos os povos
Há árvores dando os frutos da vida.
não mais haverá ameaça da morte.

Louvor ao Cordeiro ao lado de Deus.
Esposo: as núpcias tuas chegaram!
A voz da Espírita e da esposa ressoa:
´´Vinde, Senhor Jesus!
Maraná tá´´!

(Mc  2,27; Is 2; Ap 21)


Deus terminou no sétimo dia a obra que havia feito.
Ele cessou no sétimo dia toda obra que fazia.
     Deus abençoou o sétimo dia e o consagrou.

                                                                       Sábado à tarde

O sol se inclina em chamas.
Tu, Luz verdadeira pra todos,
Ó Deus, abrigo se corre  perigo,
rogamos: clareia as trevas de noite.

Já cedo escutas os nossos pedidos,
à  noite queremos dar graças.
A nossa obra foi feita
pra santificar  teu Nome.

Louvor ao Pai sem ocaso,
ao Filho  que morto, porém  está vivo.
à Mãe Advogada, Espírita Santa
em todos lugares e tempos.

 Amem.  Alelu – Já!

(Ap 1,18; 2,8)


Este é o nascimento do céu e da terra
quando da sua criação. (Gn 1,1-2,4 ).